sábado, 4 de julho de 2009

Sarney é alvo de pedras, mas há quem o pretege



Sarney protagoniza a crise no Senado.

Os mais de 600 atos secretos usados para exonerar e nomear parentes do presidente da casa em gabinetes de aliados foram o estopin da crise que vemos hoje.

O PT propôs o afastamento de Sarney, mas ele já disse que não se licencia do cargo. Lula por sua vez o defende, além de ressaltar que a pressão para a renúncia do presidente da casa é porque a oposição quer tomar a presidência no tapetão.

Hoje, Dilma Russeff declarou que não devemos demonizar Sarney, que ele não é responsável sozinho pelas ações do Senado. Ou seja, atire a primeira pedra quem nunca cometeu um ato de corrupção na política...

Um comentário:

André Almeida disse...

São todos honestos...